Pergunte a E. Jean: Buscando o Compromisso de um Homem Idoso Flagrante

Caro E. Jean: Dois anos atrás, me apaixonei por um superstar lendário quando ele entrou em uma exposição que eu estava realizando na cidade de Nova York. Ele é 20 anos mais velho que eu, um gênio criativo e mais ocupado do que qualquer pessoa que já conheci. Eu o vejo, na melhor das hipóteses, três vezes por mês e, na pior das hipóteses, uma vez por mês. Ele tem um exército de modelos / celebridades lindas e vivazes à sua disposição. Essa tem sido a causa de conflitos em seus casamentos anteriores. Para mim, 'a questão do modelo' foi obscurecida porque compartilhamos as mesmas ambições artísticas e ele me inspira em meu trabalho. Quando me arrisquei (uma vez!) A nos definir, ele desapareceu por dois meses. Devo embalar? Acho que meu medo é virar as notícias e ver que ele está noivo de alguém mais especial e menos difícil do que eu— Quase famoso

Quase, meu amor: Infelizmente, a grande arte de enganar um superstar não está mais sendo feita. Ele foi substituído por um pedido ao superstar para ser apresentado a seu traficante, Larry Gagosian. Então imagine minha alegria com sua carta! Nos velhos tempos (no século XX), eu costumava telefonar para moças que me escreviam sobre seus casos de amor com celebridades e perguntavam animadamente quem era a estrela. O mais famoso acabou por ser o guitarrista de uma banda cujo álbum foi 'muito bem' no Japão em 1987. Então, estou rezando para que seu cara seja Lucian Freud, Jeff Koons ou Damien Hirst. Mas não importa. Forçá-lo a vê-lo ou impedi-lo de se comprometer com 'alguém mais especial' é impossível. Você não pode controlar o que ele faz mais do que Frida Kahlo poderia controlar Diego Rivera. Assim, você pode fazer o que quiser com o velho rabugento - amá-lo, deixá-lo, pintar suas nádegas de verde. Você é um artista; você deveria ser 'difícil'.



Relacionado:Pergunte a E. Jean: Ela é apenas Bi para meninos?



Relacionado:Pergunte a E. Jean: Você adora trabalhar mais do que o ama?

Relacionado:Pergunte a E. Jean: Posso chafurdar até o topo?